lunes, 11 de mayo de 2009

Salta a noite

Salta a noite
nos olhos do Tejo.
Lisboa dorme.
doem-me as sombras.

As luzes das pedras
respiram o selo de ninguém.
presença vice
sob uma alma de estátuas.

O olhar confunde-se
com as vozes.

Lisboa descansa
como um barco de cristal.

Escapa do tempo; navega
nas asas do sonho.

Há gritos
que não voltam, fogem.
Apenas o eco da noite
os permite regressar.

Tudo está encerrado
neste cofre de pedra e mar
ao alcance da mão.


Del poemario: Tiene Lisboa sonidos de agosto.
Tradujo: María Antonia Piris
Publicar un comentario

MIS VISITAS AL MUNDO

MIS VISITAS AL MUNDO
Tiene Lisboa sonidos de agosto